CANÁRIO BELGA


Nome Comum:

Canário Belga

Nome Científico:

Serinus canaria

Distribuição e Habitat natural:

Este pássaro é originário dos Açores, da ilha da Madeira e das ilhas Canárias.

Alimentação:

Quanto à alimentação, os canários são animais granívoros, isto é, as sementes são a base da sua dieta. Podem comer misturas de sementes especializadas para a raça, ou também alimentos à base de ovos, ou frutas, que os canários apreciam muito. Convém deixar disponível também arenito, que é importante para as necessidades digestivas do canário.

Mutações:

Os canários domésticos não são encontrados na natureza, mas esta variante teve origem do cruzamento do canário selvagem e de outros tentilhões, além de sofrer também algumas mutações.

A Canário de cor vermelha (foto acima) foi introduzida no canário doméstico pelo cruzamento com o Pintassilgo-da-venezuela (Carduelis cucullata), também chamado Tarim ou Pintassilgo-vermelho-da-América-do-Sul.

O canário negro verdadeiro ainda não existe, mas está sendo tentado e poderia ser obtido pelo cruzamento do canário com o pintassilgo negro Carduelis atratus, conforme artigo do ornitólogo Giorgio de Baseggio.

Mutações na canaricultura e uma constante, no ramo da arte da criação de canários, há três grandes grupos:

(1) Canários de cor (2) Canários de porte (3) Canários de canto.

Os canários de cor, pela classificação da OBJO (Ordem Brasileira de Juízes de Ornitologia), contam hoje com quase 450 cores. Segundo o Manual de Julgamento dos Canários de Porte da FOB (Federação Ornitológica Brasileira)/OBJO são cinco os grupos de porte, totalizando quarenta e três raças.

Temperamento:

Os canários têm um óptimo convívio com outras aves e também dividem muito bem o espaço entre si, sem agressões. O único senão, é não se misturarem com outras espécies de tentilhões, uma vez que podem cruzar e as crias serem estéreis. Vivem muito bem em qualquer ambiente, e em qualquer clima, dando-se melhor em climas temperados, podendo ser criados numa sala de estar, numa gaiola simples , ou mesmo ao ar livre. Geralmente, os machos são criados em separado em virtude da beleza do seu canto.

De forma geral, os canários são calmos, mas algumas aves podem ser mais agitadas. Mesmo os canários mais agitados dão-se muito bem com os criadores, podendo ter uma relação até bem próxima, sem nunca vão ser tão domesticadas como um periquito ou um papagaio, por exemplo.

Historia:

O canário selvagem pode ser encontrado em diversos locais, entre eles, o arquipélago das Canárias e da Madeira. Quando descobriram as ilhas Canárias, no século XV, os espanhóis levaram os primeiros exemplares para o continente. Os primeiros criadores foram frades, que só vendiam exemplares machos para o estrangeiro, para que a criação mundial dependesse de Espanha. No entanto, no século XVII, os italianos conseguiram contrabandear uma ninhada de fêmeas, contribuindo, assim, para a difusão dos canários pelo mundo. O primeiro canário de que se tem conhecimento foi encontrado nas Canárias por volta de 1402. Uma curiosidade é que as ilhas receberam já tinham esse nome antes da descoberta da ave. De acordo com a lenda, os romanos chamavam-nas de "ilhas dos Cães" por serem habitadas por um tipo de raça de cães de grande porte. A palavra “canário" deriva de "canis", ou seja, cão em latim.

Já no século XV, tem-se notícias de canários sendo criados como animais de estimação na Europa. Ao longo dos tempos, uma grande variedade de canários foi desenvolvida. Alguns foram criados simplesmente pela habilidade vocal, onde a aparência não tinha importância. Até a Revolução Industrial, quando não ainda não haviam máquinas ruidosas, alguns artesãos costumavam manter canários em suas lojas para entretenimento. Essa prática de manter canários nos locais de trabalho acabou levando-os para as minas de carvão, onde (tristemente) os canários serviam de alarme para o trabalhador quando aqueles morriam devido à liberação de gases tóxicos.

As experiências dos ingleses com os tamanhos e formas que um canário poderia apresentar, conseguiu criar algumas variações da raça, como por exemplo o Norwich, o Yorkshire e o Gloster. Já os franceses e italianos preferiram lidar com a postura dos canários e obtiveram vários exemplares com diferentes posturas. Até o início do século XX, o canto e a forma dos canários eram o único alvo da dedicação dos criadores. No entanto, uma mutação genética em um viveiro de canários de canto despertou a atenção dos criadores tradicionais para outra característica dos canários: a sua cor. Desta forma, teve início um novo interesse por parte dos criadores e desencadeado as mais de 300 cores conhecidas atualmente.

A origem do canário-belga é, obviamente, a Bélgica. No entanto, apenas a linhagem a que ele pertence é que veio de lá, pois os antepassados dos exemplares dessa e de outras variedades têm raízes nas ilhas Canárias, um arquipélago do Atlântico junto ao continente africano.

Os canários-do-reino, por exemplo, são da mesma espécie do belga, mas ganharam essa denominação por que as aves costumavam chegar ao Brasil vindas do 'reino' de Portugal.

Compre agora: (84) 8804-9717 
Acesse também: A VOZ DOS PÁSSAROS

Fonte: Aílson Feijó / OpenBrasil.org
Foto: A/D - Arquivo OpenBrasil.org

Postagens mais visitadas

Imagem

CALOPSITA

Imagem

MANDARIM